Criança dormindo com os pais! Vamos refletir

Maiquélen Silva – Psicóloga (07/30223)

Quando as crianças são pequenas é bastante comum que por comodidade os pais decidam mantê-las por perto. Algumas mães trazem o bebê para a cama do casal, outras montam o bercinho ao lado da cama para manter a proximidade.

Nos primeiros dias de vida do pequeno a prática de trazer a criança para o quarto do casal pode ser natural, pois neste período é necessário uma certa vigilância aos cuidados do pequeno. É nesta fase que mãe e bebê adaptam-se um ao outro e estabelecem vínculos afetivos. Porém, manter a criança por um longo período no ambiente de intimidade do casal pode não ser uma boa ideia. Crianças que dormem com os pais estão mais suscetíveis a ter problemas no seu desenvolvimento emocional. Alguns dos impactos psicoemocionais são: ansiedade, medos, dificuldades de autoestima, insegurança e dependência. Além do impacto na dinâmica relacional do casal a criança que passa a dormir com os pais por longo período de tempo, pode enfrentar atrasos no processo do desenvolvimento.

Neste sentido vale a reflexão! Manter o filho pertinho é bom, porém ele também necessita ter o seu espaço, para desenvolver-se satisfatoriamente como um sujeito singular.

Algumas famílias encontram dificuldades na resolução deste conflito e podem necessitar de apoio clínico psicológico.

Sal rosa do Himalaia ou marinho? Quando o assunto é sódio, são todos iguais

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/07/08/sal-rosa-do-himalaia-ou-marinho-quando-o-assunto-e-sodio-sao-todos-iguais.htm

Atualmente diversos tipos de sal estão disponíveis no mercado, com preços pra lá de salgados. Será que vale a pena investir nesses? Por muito tempo o pozinho branco e refinado reinou absoluto nos supermercados. De uns anos para cá, ele tem dividido espaço com outras opções que prometem ser muito mais saudáveis e isso tem confundido a cabeça dos consumidores. Fomos investigar se vale a pena investir mais nesses produtos, já que eles são bem mais caros.

 De qualquer forma, a lição mais importante é que o consumo de nenhum deles deve ultrapassar os 5 gramas diários recomendados pela (OMS) Organização Mundial de Saúde –lembrando que essa quantidade engloba não só o sal que você adiciona à comida quando está à mesa, mas todo aquele usado na preparação dos alimentos, e os industrializados costumam ter quantidades bem altas do condimento. Do contrário, você corre o risco de sofrer com problemas cardíacos e hipertensão, entre outros problemas.

Outro ponto que precisa ser destacado é que, apesar de em excesso ser um problema, o sódio não é apenas um vilão, ele é importante para o equilíbrio hídrico do corpo, os impulsos nervosos, contração muscular e transporte de moléculas entre as nossas células. Conheça melhor as novas versões desse tempero.

Tipos de produtos

A diferença entre os tipos de sal está na forma como eles são obtidos Cada sal tem sua história, mas no final das contas, todos são cloreto de sódio, o que muda é a forma como são obtidos.

O sal marinho, grosso e o refinado tem a mesma origem: vem da evaporação da água de represas ou de depósitos marinhos que secaram há muitos anos. A diferença é que o primeiro não é muito processado, o que ajuda a manter os sais minerais. Já o grosso, é uma variação do marinho com granulação mais rústica. O refinado além de passar por inúmeros processos de refino, desde 1920 é acrescido de iodo para contenção de uma epidemia de bócio e hipotireoidismo que eram doenças comuns naquela época e isso se tornou obrigatório a partir de 1953.

A flor de sal, muito usada no mundo gourmet para a finalização de pratos, é um aglomerado de cristais e é considerado o tipo mais puro, o que faz com que ele seja mais rico em sódio, além de ser mais crocante e ter sabor mais marcante. Por fim, o rosa ou do Himalaia vem da cadeia montanhosa com esse nome localizada na Ásia – ele inclusive tem um “irmão”, o sal negro do Himalaia, menos popular no Brasil.

O light tem menos sódio, mas também exige cuidado no uso.

 Ele é proveniente de uma mistura de cloreto de sódio e cloreto de potássio. Em relação ao sal comum, ele tem metade de quantidade de sódio, mas isso não faz com que ele possa ser usado a gosto, pois a ingestão de potássio em excesso também pode causar problemas, como fraqueza muscular e alteração no ritmo cardíaco.

Não acredite cegamente nas promessas do sal do Himalaia.

 De fato ele possui micronutrientes, como fósforo, zinco e bromo, na sua composição, como afirmam os fabricantes. A questão é que essas substâncias estão presentes em quantidades muito pequenas e para se obter os benefícios oferecidos por eles, seria necessário um consumo altíssimo do alimento, muito além dos 5 gramas recomendados. Outra vantagem difundida por aí é que ele tem menos sódio do que o refinado. Isso é verdade, mas a diferença é muito pequena. Além disso, é preciso ter cuidado, pois existem muitas imitações no mercado. Se ele mudar de cor ao ser colocado na água, abra o olho.

De olho no rótulo

Verifique se o sal tem iodo Os produtos com a adição desse nutriente são os melhores para o dia a dia. Os outros são mais indicados para o uso gourmet. As embalagens de plástico e vidro são as mais indicadas Isso porque, elas conservam melhor o sal. Mas os saquinhos são muito mais baratos. Não há problema em optar por esse último, mas é imprescindível verificar se o invólucro está totalmente íntegro antes de colocá-lo no carrinho e ao chegar em casa, passa-lo para um recipiente bem vedado que deve ser guardado em um local sem umidade.

Informação nutricional

Sal refinado, grosso, marinho e do Himalaia

 Porção 1 grama Sódio: 390 mg Iodo: 25 mcg.

 Sal light

 Porção 1 grama Sódio: 190 mg Iodo: 25 mcg Potássio: 267 mg

Comida deveria ser remédio e não outra coisa

Clinico Geral – Dr. Charles Luciano Genehr – CRM 26509  – Q10 Saúde Clinica Integrada – Fone: 35973420

O Pai da Medicina Hipócrates costumava dizer: “Faça do seu alimento o seu medicamento”. Hoje em dia, infelizmente, o alimento não é considerado dessa forma.

Alimento, hoje em dia, é o centro das atenções das festas e reuniões entre amigos e familiares. Tais eventos não reúnem as pessoas em torno de alimentos saudáveis e promotores da vida longa. Muito pelo contrário, a maior parte dos alimentos utilizados sabidamente reduzem a vida e a qualidade da mesma.

Claro, não é só nas festas e reuniões que alimentos ruins são utilizados. Qual o valor nutricional do pão francês, da margarina, do açúcar branco, do café solúvel e do leite de caixinha? Antigamente, as pessoas usavam o pão caseiro feito com farinha moída no pilão, manteiga, açúcar de cana e leite ordenhado na mesma manhã. Tristes os tempos modernos.

Quando vamos voltar a celebrar a vida e a saúde? Espero que seja antes tarde do que nunca e antes que a nossa preciosa vida escorra pelas nossas mãos.

Os benefícios do Açaí

Nutricionista – Dra. Mara Rubia Ritter – CRN 1041 – Q10 Saúde Clinica Integrada – Fone: 35973420

Temos visto nos últimos meses um aumento considerável de pessoas comendo açaí. Essa fruta caiu no gosto das pessoas e cada vez mais está sendo apreciada para consumo no Brasil. Oriunda do norte do país é empregada na culinária de diferentes maneiras. No Amazonas e no Pará, principalmente nestas duas regiões, essa fruta é utilizada pela gastronomia na sua forma salgada. É bem comum as pessoas comerem no lugar do feijão ou acompanhando com peixe frito.

                       Na região sul o consumo viralizou com diversos acompanhamentos doces. A polpa do açaí pode ser incrementada com o xarope de guaraná e/ou outras frutas como banana e morango. O açaí é vendido em copos, barcas e/ou roletas. É apreciada por crianças, jovens, adultos e idosos.

                       Estudos mostram que o açaí é 33 vezes mais eficaz do que o vinho tinto para a prevenção das doenças coronarianas e como possui uma potente ação antioxidante e anti-inflamatória é um grande aliado na prevenção de doenças como o câncer. Em tempo de pandemia auxilia na prevenção do Covid-19, pois devido a riqueza de seus minerais e vitaminas melhora a imunidade das pessoas.

                        A fruta é rica em vitamina E excelente protetor da pele auxiliando no rejuvenescimento. Possui fibras que estimulam o intestino principalmente acompanhado com a ingestão de água. É fonte de cálcio, magnésio e potássio, além de possuir um grande poder antioxidante. Por todos esses benefícios a açaí é considerado um super alimento.

Receita Fit: Arroz diferente encorpado

https://marmitexdesucesso.com

Se você nunca experimentou fazer um arroz diferente, não sabe o que está perdendo.

Para fazer uma receita simples, eu costumo incluir cenoura, vagem, milho, azeitonas pretas, presunto e muçarela light picadinhos. Para trazer um toque especial, acrescente uma pitadinha de açafrão. Com isso você tem praticamente uma refeição completa.

Porém, é possível incrementar ao utilizar acompanhamentos leves, como uma salada verde de rúcula e tomatinho cereja. Além disso, você pode desfiar frango temperado para enriquecer a salada.

Lembre-se de utilizar o azeite para refogar o alho com a cebola ou manteiga, pois é muito mais saudável que óleo refinado.

DICA EXTRA: para deixar o arroz ainda mais nutritivo, substitua o frango por carne vermelha desfiada ou até mesmo carne seca.

Erva Mate: Origem e benefícios desta planta nativa da região sul

cini.com.br

Não tem nada melhor do que acordar cedinho e saborear um delicioso chá mate, não é verdade? O sabor inconfundível, a leveza e a sensação prazerosa que o mate proporciona ajudam a explicar as diversas maneiras que aproveitamos a folha. Seja quente no chimarrão ou gelada no delicioso, o certo é que esta erva é irresistível. 

Conheça um pouco mais sobre essa delícia abaixo e aproveite os numerosos benefícios que a erva mate proporciona. 

ORIGEM 

Esta espécie de erva é nativa do sul do país, e também pode ser encontrada em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Para o Paraná, a planta foi muito importante, já que sua exploração econômica foi determinante na emancipação política do estado. Além das fronteiras nacionais, a erva mate é encontrada no Paraguai e em algumas partes da Argentina. 

Seu nome científico, Ilex paraguariensis, foi dado pelo botânico francês Auguste de Saint-Hilaire, quando conheceu a planta em 1820, no Paraguai. Posteriormente, ao saber que a erva crescia em maior quantidade e qualidade no estado do Paraná, o pesquisador se retratou, dizendo que deveria ter nomeado a planta de Ilex brasiliensis

USO ANCESTRAL 

A erva mate era utilizada pelos índios Guarani e Quíchua, que produziam uma bebida através da infusão das folhas. Os efeitos estimulantes da planta já eram bem conhecidos por eles. Ao tomar a bebida, se sentiam preparados para realizar qualquer tipo de esforço físico por longas jornadas. 

OS BENEFÍCIOS DO CONSUMO 

Poderoso antioxidante: Segundo artigo publicado pela BBRC, a erva mate possui um efeito antioxidante poderoso, que contribui para a diminuição das taxas de colesterol ruim. Além disso, favorece a proteção das células contra o efeito nocivo dos radicais livres.

Melhora a digestão: O chá da erva também ajuda na digestão de alimentos, já que contribui na liberação dos sucos gástricos digestivos. A bebida também é diurética e auxilia na eliminação de toxinas nocivas ao organismo.

Contribui para o emagrecimento: A erva mate possui um efeito termogênico no organismo, que traz benefícios para todas as pessoas que desejam perder alguns quilos. Ao ingerir a bebida, a temperatura corporal é elevada através do estímulo dos sistemas cardiovascular, respiratório e nervoso central, tendo como resultado um aumento do metabolismo e maior queima de gordura corporal. 

O que comer para um almoço fitness 

https://www.dicasdemulher.com.br/almoco-fitness/ Escrito por Vanessa Herrmann

Para você saber o que colocar no prato na hora de montar seu almoço fitness, a nutricionista Suzana B. Cavalini (CRN8 8502) recomenda adicionar uma boa fonte de carboidrato e uma de proteína, além de alimentos citados em outros grupos abaixo.

Relacionadas

Carboidratos

carboidrato é a principal fonte de energia do organismo, principalmente para o cérebro. Portanto, para ter um bom desempenho e resultado em suas atividades físicas, esse macronutriente precisa estar sempre presente no seu prato. Porém, é importante escolher boas fontes de carboidratos, já que eles são transformados em açúcar na corrente sanguínea, afirma a nutricionista. Veja as opções que ela listou:

Mandioca

Batata-doce

Cará

Inhame

Batata inglesa

Arroz (integral, vermelho ou negro)

Proteínas

Segundo Suzana, “esse macronutriente tem função estrutural em nosso corpo, é ele que forma e faz toda manutenção dos nossos tecidos musculares, além de estar envolvido na produção de hormônios no nosso corpo”. Para quem for adicionar carne ao cardápio, a dica é optar pelas magras e, no caso das vermelhas, o consumo deve ser restrito a no máximo 3 vezes por semana. São boas pedidas:

Carnes

Ovo

Leite e derivados

Feijão

Ervilha

Grão-de-bico

Tofu

Gorduras

Normalmente, já há gorduras intrínsecas nas carnes. Porém, na hora de cozinhar ou até mesmo temperar os alimentos, aposte sempre em boas fontes de gorduras em quantidade moderada, recomenda Cavalini. Veja as sugestões:

Azeite de oliva extra virgem

Óleo de coco

Azeite de abacate

Óleo de girassol

Legumes

A nutricionista afirma que “é dos vegetais que vem a maior quantidade de fibras, vitaminas e minerais ingerida durante uma refeição, portanto esses alimentos devem sempre estar presentes em um prato fitness”. Abaixo, ela lista algumas opções:

Berinjela

Abobrinha

Cenoura

Beterraba

Quiabo

Vagem

Folhosos

Os alimentos folhosos contam com grande quantidade de ferro, cálcio, vitaminas do complexo B, vitaminas E, K, A e fibras. Além disso, também são ricos em antioxidantes, diz Cavalini. Veja exemplos do que colocar no prato:

Alface

Rúcula

Acelga

Espinafre

Agrião

Escarola

Almeirão

Crucíferos

Esse grupo também se enquadra na categoria dos vegetais, porém os itens citados abaixo são fonte de uma boa quantidade de antioxidantes e contam com sulforafano, “uma substância que estimula as enzimas do organismo que são capazes de impedir a ação de agentes carcinogênicos”, afirma a nutricionista. Vale apostar em:

Brócolis

Couve-flor

Repolho

Couve

Nabo

O que evitar

Cavalini sugere evitar carboidratos refinados, ainda mais associados a frituras, como é o caso da batata frita, por exemplo. O mesmo vale para alimentos processados como linguiça, salames e hambúrgueres. Também entram aqui as gorduras saturadas, as animais e óleos com grande quantidades de solventes, como o de soja e o de milho.

Há boas substituições para todos os itens indicados acima, então, para conseguir um almoço fitness, é preciso ter determinação e seguir todas as sugestões listadas!

A INFLUÊNCIA DAS CORES NO AMBIENTE DE TRABALHO

Fonte: https://articles.jobconvo.com/a-influencia-das-cores-no-trabalho/ laboração: Piccolo Tintas

O psiquiatra suiço Carl Jung foi o pioneiro nas pesquisas sobre a psicologia das cores. Ele utilizou o estudo como ferramenta de psicoterapia e descobriu que cada cor tem um significado que provoca uma determinada sensação. 

Segundo Jung, quando seus pacientes se expressavam por meio das cores, eles conseguiam se recuperar de experiências traumáticas ou estressantes. 

A partir desse estudo, ele definiu os seguintes princípios básicos:

Cada cor tem um significado específico;

O QUE AS CORES QUENTES TRANSMITEM?

As cores quentes geralmente passam sensação de otimismo, entusiasmo, paixão e são representadas pelo amarelo, vermelho, roxo, rosa e laranja. Mas quando usadas em excesso, podem causar raiva e estresse no ambiente de trabalho.

Se usadas no ambiente corporativo, as cores quentes conferem uma sensação de que o ambiente é menor, ao mesmo tempo em que estimulam a mente de seus colaboradores. Isso porque essas cores estimulam o nosso sistema nervoso e cardíaco a trabalharem mais. E por isso, se usadas da forma correta, são excelentes formas de incentivar a criatividade. 

O QUE AS CORES FRIAS TRANSMITEM?

São consideradas cores frias: azul, violeta e verde. Os tons frios têm o poder de levar tranquilidade, calmaria e harmonia aos ambientes. Provocam no cérebro uma sensação de bem-estar, deixando as pessoas mais relaxadas e confortáveis. 

Essas cores se adaptam melhor a locais de trabalho que precisam passar serenidade e fluidez a seus funcionários.

Como já abordamos especificamente sobre cada cor, o verde representa a ideia de paz e equilíbrio, já o azul remete a sentimentos como amabilidade e serenidade, enquanto o violeta demonstra sensações que remetem à  espiritualidade.

QUAL É A COR DA SEGURANÇA?

As cores neutras são responsáveis por transmitir segurança e tradição. E são formadas basicamente pelo preto, branco, cinza e em outras tonalidades e intensidades, sendo as mais conhecidas o bege e o marrom. O marrom transmite seriedade, natureza e sofisticação ao ambiente. 

QUAL É A COR QUE MAIS ESTIMULA A CRIATIVIDADE?

Estudos comprovam que a cor azul é ideal para ambientes de trabalho por estimular a comunicação, a confiança e a eficiência. Nos ambientes de negócios, essa cor é usada por ser produtiva e não invasiva, além de estimular muito a produtividade. 

O verde também é conhecido como a cor da cura, por ter a capacidade de eliminar condições físicas negativas do corpo e energizar de forma positiva o ambiente. No ambiente corporativo, essa cor remete a ideia de ponderação e coerência.

QUAL É A COR QUE ESTIMULA O ESTUDO?

Para ambientes de estudo (ideais para empresas que possuem espaço para treinamentos e cursos), é recomendado o contraste entre as cores das paredes e dos móveis. Para estimular as atividades intelectuais e deixar os indivíduos ativos, podem ser utilizadas as cores amarelo, laranja e marrom. 

O amarelo por ser uma cor vibrante ajuda a estimular o sistema nervoso central, aumentando a produção de serotonina, que influencia diretamente na qualidade do aprendizado. Nesses casos, prefira o tom mais forte do amarelo, que é mais indicado para a concentração. 

O laranja também é uma cor indicada para utilizar em um ambiente para aprender, pois melhora a produtividade e a atividade intelectual. 

Já a cor marrom é associada à responsabilidade e maturidade.

É importante evitar o branco, amarelo forte, vermelho e violeta. 

QUAIS CORES REFRESCAM O AMBIENTE?

Para refrescar o ambiente, o branco é mais indicado, pois tem o poder de deixar os ambientes maiores e mais iluminados. Além disso, essa cor reflete a luz do sol, deixando o local mais claro. Como a luz se expande no ambiente, a concentração de calor na parede diminui e deixa tudo mais fresquinho.

Porém, evite colocar branco em paredes com espelhos ou objetos que reflitam a  luz solar. Isso porque o calor vai aumentar e sua parede branca não vai contribuir para refrescar o local.

LUMINOSIDADE TAMBÉM TEM INFLUÊNCIA NO AMBIENTE DE TRABALHO

Para proporcionar um ambiente de trabalho agradável, também é necessário escolher uma iluminação adequada para isso. Sendo assim, é preciso compreender as necessidades e tarefas exercidas pelos colaboradores para obter a intensidade perfeita de luz e cor. 

A seguir, elencamos algumas dicas para manter uma luminosidade positiva no ambiente de trabalho:

Compreenda o espaço e tipo de trabalho;

Procure juntar os benefícios da iluminação natural e da artificial;

Mescle cores;

Busque ajuda de profissionais capacitados.

Correia dentada – O que é e quando deve ser trocada?

https://www.kbb.com.br

A correia dentada, também chamada de correia de distribuição, é uma peça matreira. Além de não dar sinais evidentes de desgaste ou pistas de que algo está mal, ela mantém ocultas na sua parte interna, composta por pequenos dentes de borracha, as mazelas que resultam da fricção constante pelo movimento de tração. Mas não se engane com sua aparente singelez: se a correia de distribuição chegar a se partir, o prejuízo pode inutilizar o veículo a um ponto de não valer a pena consertá-lo. Entenda por que ela tem esse efeito todo aqui com a gente.

O que é a correia dentada?

Sob a batuta deste componente está “apenas” o controle da árvore de cames, ou eixo-comando, que garantir a abertura das válvulas e o sincronismo delas com o funcionamento dos pistões nos cilindros. Em outras palavras, é ela que garante que a válvula não estará dentro do cilindro quando o pistão estiver subindo para comprimir a mistura. Se isso acontece, empena as válvulas, pode furar a cabeça do pistão e até exigir a retífica do motor, quando não quebra o bloco ou entorta o cabeçote.

Como saber se é necessário substituir a correia dentada?

Quem conhece seu automóvel como a palma de sua mão consegue identificar uma leve perda de energia, vibração anormal do motor ou até um aumento da média de consumo. Todos esses fatores indicam que a correia de distribuição está com defeito. O problema é que os fabricantes de automóveis usam agora correias mais resistentes, mas também menos ruidosas. Com isso, mesmo as oficinas das marcas não conseguem verificar em que estado ela se encontra. Se seu desgaste for pronunciado, a correia corre sério risco de arrebentar, com os resultados desastrosos para o motor que já descrevemos. Não pense que esta tira de borracha se parte apenas em movimento, que é a situação mais perigosa em que isso pode acontecer. Mesmo com o carro em marcha-lenta a correia pode ceder. Os danos ao motor podem ser exatamente os mesmos. Os para motoristas e passageiros podem comprometer sua integridade física.

O segredo para driblar o problema é fazer trocas preventivas. A esperança média de vida de uma correia varia de marca para marca. São os próprios fabricantes que colocam prazo de validade na peça, que deve ser substituída de acordo com os prazos e recomendações do fabricante. Gente mais precavida fará a troca a cada cem mil quilômetros (ou quatro anos, o que acontecer primeiro). Há inclusive quem, ao comprar um carro usado, mande trocar a correia independentemente de ela ser nova ou usada. Cuidado e canja de galinha não fazem mal a ninguém…

Não mude a correia de distribuição você mesmo

A substituição da correia de distribuição não é daqueles trabalhos para curiosos ou mecânicos de fim de semana, por mais tentadora que seja a ideia de poupar umas bom dinheiro efetuando a troca com as próprias mãos. Uma correia mal colocada terá um feito ruinoso para a mecânica. E lá se vai a poupança.

Quando a correia é substituída, a bomba de água também precisa de ser mudada. Tratando-se de uma tarefa que exige muita mão de obra, os custos são consideráveis. Numa oficina, o serviço inclui todo o kit e a bomba de água.

Comunicação não violenta: Vamos praticar?

Psicóloga do NAP Scheila Flesch – contato@napvs.com.br

Que a comunicação é importante e fundamental em nossas vidas, todos sabemos. No entanto, na maioria das vezes não conseguimos nos comunicar da forma mais adequada, e aquilo que deveria nos beneficiar e facilitar a nossa vida, passa a ser algo pesado, e muitas vezes, nos causa muitos problemas.

Desde muito cedo aprendemos a falar de forma indireta, por vezes agressiva, onde acontecem ataques, defesas e julgamentos. Junto com a nossa fala carregamos muita emoção, e aquilo que não conseguimos dizer de forma transparente e honesta, acaba saindo de maneira distorcida. Utilizamos ironia, sarcasmo e deboche para proteger nossos reais desejos, achando que com isso chegaremos a algum lugar, e na realidade, ficamos cada vez mais longe de nos comunicarmos com harmonia e assertividade.

Com isso não falo que devemos ser ingênuos na forma de nos comunicarmos, nos colocando em algumas situações delicadas por agirmos com demasiada sinceridade, citando como exemplo uma reunião de negócios. O que falo é que podemos nos comunicar nos desarmando, falando o que queremos, como nos sentimos, de forma empática e compassiva.

A comunicação não violenta evidencia o quanto podemos magoar e ferir através do que dizemos, e o contrário também é verdadeiro. De acordo com Marshall Rosemberg, fundador da comunicação não violenta, ela vem para nos mostrar que por traz de todo comportamento existe uma necessidade e é esta necessidade que podemos comunicar. Ao invés de dizermos para nosso cônjuge: “você sempre me deixa sozinha!”, podemos dizer: “você tem trabalhado muito, sinto a sua falta!”. É uma forma de comunicação mais autêntica e desarmada, onde desligamos o “modo ataque ou defesa”, para uma maneira mais objetiva e responsiva.

Mudar a forma como nos comunicamos é um processo que exige uma consciência de que a forma atual utilizada não tem sido satisfatória. Se você não se sente compreendido ou ouvido, pode ser que não esteja se comunicando da forma mais assertiva. Pegue a responsabilidade para você, não espere que o outro mude para você mudar. Ao se desarmar, você verá que o outro também se desarma, e assim se cria uma atmosfera mais adequada para uma boa comunicação! Vamos praticar?